Não existe qualquer dúvida que um dos principais bens de uma empresa são os dados que possuem, sendo que informações acerca dos clientes, financeiras ou dos colaboradores devem estar protegidas, mas acessíveis sempre que necessário. Por esta razão, as empresas que se preocupam com a segurança dos seus dados, devem investir recursos adequados na proteção dos mesmos e na recuperação de um incidente.

Mas quão sério necessita de ser um incidente para se perderem os dados armazenados? Um estudo recente, desenvolvido pela Kroll Ontrack, revelou dados muitos interessantes obtidos com a ferramenta de recuperação desta empresa.

Vamos analisar as principais para a perda ou fuga de dados a nível empresarial; abaixo encontra-se uma lista completa, juntamente com a proporção de casos para cada razão:

Causas da perda de dados Percentagem de incidentes
Drives não detetadas 25%
Dispositivos que não ligam 11%
Dispositivo que caiu ao chão 10%
Ficheiros apagados 9%
Corrupção de dados 7%

Falhas de Hardware

Segundo o estudo, o problema principal, e que atinge a marca dos 25% no número total de casos, são as falhas na deteção de dispositivos de armazenamento. Isto é algo lógico, especialmente quando falamos de discos rígidos e drives flash, que são utilizandos em larga escala em todo o tipo de ambientes empresariais e estão mais sujeitos a falhas do que outros tipos de dispositivos, como fita magnética.

Em paralelo, o aumento de drives SSD (Solid State Drives) com memória flash nos últimos anos contribui para aumentar esta percentagem. Este tipo de drives disponibilizam um acesso mais rápido aos dados que os sistemas mecânicos convencionais, mas estão mais sujeitos a falhas caso escrevam dados de forma contínua, e é por esse motivo que não se recomenda a sua utilização em servidores ou computadores onde a fiabilidade é um aspecto crítico.

Outros dos grandes problemas no cerne da perda de dados é o facto dos dispositivos não ligarem, o que pode ser causado por uma falha na fonte de alimentação ou em outros componentes. Curiosamente, em terceiro lugar, encontramos uma das falhas mais comuns e que fazem o hardware falhar, ou seja, a queda de um dispositivo.

Importa ter presente que estas falhas de hardware nem sempre representam uma perda irreparável de dados, uma vez que na maioria dos casos podem ser recuperados utilizando ferramentas de análise forense ou até quando é apenas o hardware de um equipamento a ter problemas e o disco se mantem a funcionar sem problemas.

Falhas de Software

DATOS-CORPORATIVOS

No quarto e quinto lugar da tabela, podemos encontrar duas razões que são normalmente causadas por falhas no software e que ocorrem na altura em que os dados estão a ser utilizados ou por malware que afeta as informações armazenadas. Nesta campo enquadram-se então os ficheiros que são aliminados (por acidente ou deliberadamente) ou se tornam corrompidos.

Ambas as razões podem ser provocadas por uma má decisão de um utilizador ou por uma falha no sistema. Porém nos últimos meses temos observado que o ransomware é uma enorme ameaça a ambientes empresariais e as suas acções maliciosas podem incluir as duas causas de perda de dados mencionadas acima.

A corrupção de dados é evidente, considerando que o ransomware encripta os ficheiros, tornando-os inacessíveis até que são desencriptados, e para esse efeito os cibercriminosos necessitam de um resgate, que pode ser mais acessível ou elevado. Importa salientar que na maioria dos casos não aconselhamos a que o resgate seja pago, uma vez que não existe qualquer garantia de recuperação dos ficheiros e acaba por ser um incentivo para os criminosos desenvolverem novas ameaças.

No que diz respeito à perda de dados, recentemente observámos casos de malware como o Jigsaw, que elimina determinados em ficheiros em certos períodos de tempo, e mais ainda quando se reiniciam os sistemas.

A importância da prevenção

No que diz respeito a estes incidentes, que podem colocar as empresas em risco, a melhor solução é a prevenção uma vez que pode assegurar uma recuperação rápida num caso de ocorrer um incidente.

A primeira coisa é a segurança oferecida por uma solução antivírus, essencial para prevenir os dados que o malware pode causar. Para o que diz respeito às falhas de hardware, a melhor coisa é um sistema de backup que pode restaurar rapidamente não só os dados armazenados, mas também os sistemas operativos, minimizando o tempo de resposto e permitindo às empresas continuarem a funcionar normalmente.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

*