Quase 5% dos computadores portugueses está infetado

0
119

Quase 5 em cada 100 PCs portugueses está infetado com malware, de acordo com a ESET, empresa líder em soluções de segurança e antivírus distribuída em Portugal pela WhiteHat.

O valor de 4,62% de computadores infetados registado em Maio em Portugal é ainda muito superior ao de países como os EUA – onde o rácio de infeções registado em Maio se ficou pelos 2,5% – e está também ligeiramente acima do nosso vizinho: em Espanha, o valor para o mesmo período foi de 4,25%.

O pior país do mundo em termos de computadores infetados continua a ser o Afeganistão, onde cerca de um quarto (24,26%) de todos os PCs está infetado.

Virus_Maio_2015-X2

Vírus e malware

Segundo a ESET, a notícia menos má para nós é que a infeção mais comum nos PCs Portugueses não é um vírus propriamente dito (porque não tem capacidade de replicação) mas sim um tipo de malware, ou seja, software malicioso que efetua a sua atividade de forma sub-reptícia e sem que o utilizador dela se aperceba.

O malware que a ESET detetou em mais máquinas portuguesas em Maio chama-se Win32/Adware.MultiPlug e é normalmente instalado inadvertidamente pelos próprios utilizadores através de técnicas de engenharia social. A forma mais comum é vir juntamente com programas gratuitos: durante o processo de instalação, se os utilizadores se limitarem a clicar em “Next” sem escolherem o processo de instalação personalizado, o mais certo é acabarem com este malware nas suas máquinas.

O Win32/Adware.MultiPlug instala-se como extensão ou plugin em todos os browsers mais usados – incluindo Internet Explorer, Chrome e Firefox – alterando definições, preferências e entradas no Registry do Windows de forma a manter-se instalado e é praticamente impossível de remover pelo utilizador sem recurso a ferramentas especiais.

De acordo com a ESET, “este adware recolhe informação sensível quando o utilizador navega em determinados websites”. A informação recolhida inclui não apenas os endereços visitados como também palavras-chaves introduzidas em motores de busca. Uma vez recolhida a informação, o malware envia os dados para um servidor remoto e, quando o utilizador navega em determinados websites, faz surgir publicidade específica, através da injeção de Javascript, e redireciona o utilizador para websites de comércio eletrónico.

O facto de este programa ter apenas surgido em Novembro passado e ser já neste momento o maior responsável por infeções em Portugal demonstra bem a velocidade da sua propagação. Pior, uma vez que este malware foi, para todos os efeitos, instalado pelo próprio utilizador, há programas antivírus que não o removem por não o considerarem uma ameaça. Contudo, a instalação deste programa pode ser facilmente evitada pelas soluções ESET, como é o caso do ESET NOD32 Antivirus e ESET Smart Security.

A ESET disponibiliza um “scanner” online em http://www.virusradar.com/en/tools/online que permite aos utilizadores realizar a verificação e limpeza das suas máquinas. Esta ferramenta utiliza a tecnologia ESET NOD32 Antivirus e possui atualizações diárias, mas carece das funcionalidades avançadas e das capacidades de deteção em tempo real do software da ESET para instalação no computador.

Mais informações em www.eset.pt

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

*