Bitcoin: O que é, como funciona e como se obtém

0
31

As moedas virtuais como o Bitcoin têm vindo a mudar a forma como são encaradas as transações electrónicas. Neste contexto, o bitcoin está cada vez mais popular e o seu valor está cada vez maior. No entanto, pouco a pouco, este é um conceito que todos sabem que existe mas que na realidade poucos conseguem explicar. Nas próximas linhas abordamos cinco perguntas e respostas que ajudam a entender como funciona o bitcoin.

1. No que consistem as moedas electrónicas?

As criptomoedas são uma forma de moeda digital baseada na encriptação. Esta técnica é utilizada para regulamentar a criação de unidades monetárias e verificar a transferência de fundos, substituindo uma autoridade central.  Estão altamente relacionadas com as matemáticas, ao contrário das moedas tradicionais, que são impressas em forma de cédulas ou moedas e, geralmente, estão ligadas a bens físicos como o ouro. Uma criptomoneda é produzida através da resolução de problemas matemáticos baseados na encriptação.

2. O que é o bitcoin?

A bitcoin foi a primeira criptomoeda descentralizada, ou seja, que não depende de nenhum governo ou instituição financeira para ter um valor no mercado. Foi criada em 2009 por Satoshi Nakamoto com o objetivo de realizar transações financeiras digitais entre pessoas sem a intervenção de um terceiro e que, além disso, pudesse ser segura, anónima e imediata em qualquer parte do mundo.

Algumas das características mais importantes do bitcoins são:

  • Livre acesso: Qualquer pessoa pode ter uma bitcoin e participar da rede.
  • Transferências irreversíveis: Após serem realizadas, não podem ser desfeitas ou canceladas.
  • Anonimato: Não é necessária nenhuma identificação para participar da rede Bitcoin.
  • Controlo total do dinheiro: Pode usar o seu dinheiro livremente, sempre que quiser.
  • Código aberto: O código-fonte do Bitcoin está sempre disponível para todos.

3. Como funcionam as transações?

Embora o bitcoin não seja controlado por nenhum governo, pessoa ou instituição financeira, necessita sempre de algo que lhe dá poder, confiança e suporte. É por esse motivo que milhões de pessoas (na realidade, computadores e servidores) são responsáveis ​​por manter a criptomoeda em funcionamento: verificam transações, possuem um registo comum de transações e fornecem segurança ao sistema.

Uma explicação muito simples do investigador Morgen E. Peck afirma que se deve pensar nas bitcoins como um registo de contabilidade digital. É um sistema protegido por encriptação, no qual todos utilizam as contas de todos.

Imagine um grupo de pessoas à volta de uma mesa, cada uma à frente do seu computador e todos com acesso em tempo real ao mesmo registro de contabilidade. Este registo leva em conta o número de bitcoins que cada um desses indivíduos tem em qualquer momento.

O saldo de cada conta está disponível publicamente e se um indivíduo desejar transferir os fundos para quem estiver sentado á frente dele, deve anunciar essa transação para que todos os que estão sentados na mesa fiquem a saber. Uma vez anunciada a transação, todo o grupo adiciona-a ao registo, sendo necessário que todos verifiquem a autenticidade da referida transação.

Num sistema como este, a moeda não existe de forma física e, no entanto, um indivíduo não pode gastar mais do que uma vez a mesma moeda (caso tente realizar um gasto duas vezes, será detetado e rejeitado por todos os outros).

A bitcoin funciona basicamente assim, a menos que os participantes sejam computadores distribuídos numa rede peer-to-peer global e todas as transações ocorram entre endereços (carteiras) ao invés de indivíduos e sem revelar quem são os respectivos proprietários.

A posse destes endereços é verificada através de certificados digitais baseados em algoritmos assimétricos, ou seja, através de um sistema de chave pública e chave privada.

Deste modo podemos afirmar que o bitcoin é um sistema protegido por encriptação no qual todos usam as contas de todos.

4. O que é o minar bitcoins?

Minar bitcoins é o processo de investir na capacidade de computação para processar transações, garantir a segurança da rede e conseguir com que todos os participantes estejam sincronizados.

O algoritmo da bitcoin permite manter um registo coletivo de todas as transações através da rede. Este registo público e partilhado entre todas as partes é conhecido como blockchain. Nesta cadeia, todas as transações são registadas com a data, hora, assinatura digital dos participantes e quantidade transferida.

No entanto, importa salientar que várias transações ocorrem ao mesmo tempo. Por esse motivo é necessário solicitarem um pedido para manter o registo sincronizado e atualizado entre todos os pontos da rede. Deste modo, cada vez que se cria uma determinada transação, todos os pontos da rede verificam se é viável e autêntica.

A cada 10 minutos (aproximadamente), todos os pontos armazenam num bloco as transações válidas que foram recebidas. No entanto, nem todos os pontos adicionam estas transações no mesmo pedido, por isso, é necessário definir qual bloco será considerado como válido e adicionado ao registo (blockchain).

Para isso, todos os pontos da rede participam num tipo de concurso. Consiste em encontrar o bloco que, adicionado a um número aleatório e aplicado a uma função de encriptação, resulte num hash que cumpre com uma característica: ter uma certa quantidade de zeros à esquerda.

Uma vez que é impossível prever o resultado de uma função de hash, cada mineiro deve calcular o hash para o seu bloco de transações somado ao número aleatório até que o resultado seja válido. À medida que aumenta o número de zeros à esquerda para validar a informação, a dificuldade de encontrar um hash que atenda a esse requisito também aumenta.

Se pensarmos no funcionamento do blockchain, minar consiste em utilizar os recursos do processador e da placa gráfica para realizar esses cálculos matemáticos encriptados, que consomem uma grande quantidade de processamento.

Cada vez que o cálculo de um bloco é resolvido e adicionado à cadeia, 12,5 bitcoins são distribuídos entre os mineiros que participaram na obtenção desse bloco. Desta forma, obtém pontos para trabalhar no processamento de transações e também introduzir novas moedas no mercado.

Embora o processo pareça simples, a criptomoneda é algo tão complexo que o processo de minar se torna algo cada vez mais dificil. Por esse motivo é cada vez mais necessário poder de computação e tempo.

5. Por que o bitcoin está relacionado com os criminosos e mercado negro?

A bitcoin hoje em dia pode ser utilizada para fazer compras como acontece com o dinheiro comum. Por exemplo, pode comprar passagens aéreas, eletrodomésticos, alimentos ou quase tudo que possa imaginar.

Em paralelo, é bastante útil para efetuar transferências em qualquer parte do mundo, sem ter de estar a fazer o câmbio de divisas ou a perder dinheiro em comissões para um intermediário.

Importa salientar que muitas empresas e organizações como Visa, Santander e até mesmo a Bolsa de Nova Iorque têm investido em bitcoins e incentivam à sua utilização.

Considerando o poder do bitcoin, onde as transações são anónimas e podem ser realizadas em qualquer parte do mundo, as atividades legais são facilitadas… mas também as ilegais.

Infelizmente, nos últimos anos, a bitcoin tornou-se muito popular como meio de pagamento para os resgates de ransomware e outros serviços no mercado negro.

No entanto, a finalidade do bitcoin não é facilitar as transações dos criminosos, mas ser capaz de proporcionar à sociedade uma ferramenta segura e confiável para transferir dinheiro digital entre duas pessoas sem a necessidade de uma intervenção de terceiros.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

*