NATO Locked Shields: O contributo da ESET para a ciber-resiliência

De 19 a 22 de abril de 2022, o Locked Shields, o maior exercício internacional de ciber-defesa ao vivo, teve lugar em Tallinn, na Estónia. Desde 2010, o Cooperative Cyber Defense Centre of Excellence (CCDCOE) da NATO tem vindo a organizar este evento anual, pondo à prova a “ciber-capacidade” dos países membros da NATO. Este exercício levou mais de seis meses a preparar-se para garantir o seu sucesso.

O seu objetivo é reforçar a defesa digital coletiva em toda a Aliança e testar as capacidades dos Aliados. Os participantes, incluindo vinte e nove peritos de segurança da ESET, tiveram uma oportunidade única de provar a sua capacidade de proteger os sistemas informáticos nacionais civis e militares e as infraestruturas críticas.

Proteger as infraestruturas críticas de um país imaginário

O exercício Locked Shields 2022 submeteu cerca de 5.500 sistemas virtualizados a mais de 8.000 ataques. No entanto, o exercício não é tão significativo na sua dimensão como na sua complexidade. As equipas envolvidas tiveram não só de provar a sua capacidade de proteger as infraestruturas críticas confiadas a um país imaginário, mas também a sua eficácia em relatar detalhes sobre a situação no campo de batalha digital, executar decisões estratégicas e resolver os desafios forenses, legais e de operações de informação. Pela primeira vez, em 2022, o exercício técnico incluiu também a simulação da gestão de reservas e sistemas de mensagens financeiras de um banco central. O foco principal do exercício foi as interdependências dos sistemas informáticos internacionais.

Este ano, mais de 2000 participantes de 32 nações estiveram envolvidos. Vinte e quatro eram nações membros da NATO, incluindo a República Eslovaca, que participou no exercício todos os anos e a que se juntaram em 2022 peritos em cibersegurança da República Checa. Uma vez que houve interesse de muitas nações, várias nações uniram forças para criar equipas conjuntas como as eslovaco-checas, lituano-polacas e as estónio-georgianas.

O contributo da ESET

A equipa eslovaco-checa foi formada por especialistas das forças armadas, organizações governamentais, e do sector privado, incluindo a ESET. Vinte e nove dos peritos de segurança da ESET participaram no exercício, ajudando a equipa da Eslováquia e República Checa a alcançar o quinto lugar no geral, e a posição cimeira em duas subcategorias: forense e de reportagem (“reporting”).

A ESET está extremamente satisfeita por ter tido a oportunidade de se juntar à Eslováquia neste exercício mais uma vez e, assim, provar-se como um membro e parceiro valioso para o país.

“Mais uma vez, a equipa da ESET demonstrou os seus conhecimentos técnicos no Locked Shields 2022 e ajudou a equipa azul eslovaco-checa a alcançar uma classificação muito boa. Os produtos da ESET tiveram uma elevada eficiência na deteção de incidentes e permitiram-nos responder proactivamente a ameaças emergentes num curto período de tempo. Agradecemos a todos os envolvidos pela sua participação e elevado nível de profissionalismo”, disse o Diretor do Centro de Ciber-Defesa da República Eslovaca.

A necessidade de segurança digital e de escudos de bloqueio é cada vez mais evidente, dados os acontecimentos atuais como a invasão na Ucrânia e a pandemia da COVID-19. À medida que a comunidade global se torna cada vez mais dependente da tecnologia, os atores maliciosos estão a aumentar os seus esforços para atacar tanto o setor público como o privado. Em resposta, o exercício Locked Shields utiliza as mais recentes tecnologias para treinar as equipas nacionais dentro de um ambiente de exercício baseado em cenários realistas.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

2 × five =

*