ESET descobre vulnerabilidades no Amazon Echo e Kindle

A Equipa de Investigação de Smart Home, da ESET, descobriu recentemente que o conhecido Amazon Echo – o hardware original do Amazon Alexa – estava aberto a algumas das dez vulnerabilidades de Key Reinstallation Attack (KRACK). O mesmo aconteceu também com pelo menos uma geração dos amplamente utilizados e-readers Kindle, também da Amazon. As vulnerabilidades foram corrigidas pela equipa de segurança da Amazon, depois da ESET ter reportado as falhas.

Em 2017, dois investigadores belgas, Mathy Vanhoef e Frank Piessens encontraram sérias fraquezas no standard WPA2, um protocolo que naquela época protegia praticamente todas as redes Wi-Fi modernas. Os ataques do KRACK foram dirigidos principalmente ao four-way handshake – um mecanismo usado para dois propósitos: confirmar que o cliente e o ponto de acesso possuem as credenciais corretas e negociar a chave usada na encriptação do tráfego. Mesmo agora, dois anos depois, muitos dispositivos com Wi-Fi ainda estão vulneráveis ​​a ataques do KRACK.

“Nos últimos anos, centenas de milhões de casas tornaram-se mais inteligentes e com acesso à Internet através de um dos muitos dispositivos de assistência doméstica disponíveis no mercado. Apesar dos esforços de alguns fornecedores no desenvolvimento de dispositivos seguros, eles são geralmente vulneráveis ​​”, diz o investigador da ESET, Miloš Čermák. “Identificámos várias falhas em pelo menos três dispositivos da Amazon, o que poderia representar um risco de segurança de longo alcance dada a quantidade de exemplares que foram vendidos”, explica Čermák.

Os dispositivos Echo de primeira geração e Amazon Kindle de oitava geração, mostraram-se vulneráveis ​​a duas vulnerabilidades do KRACK. Trata-se de vulnerabilidades bastante graves, pois permitem que um hacker: execute um ataque de DoS; decifre quaisquer dados ou informações transmitidas pela vítima; substitua pacotes de dados, faça com que o dispositivo rejeite pacotes de dados ou até injete novos pacotes; intercete informações confidenciais, como passwords ou cookies de sessão.

“Note-se que os ataques de KRACK – semelhantes a qualquer outro ataque contra redes Wi-Fi – exigem proximidade entre o hacker e os dispositivos da vítima para que seja eficaz”, acrescenta Miloš Čermák.

A ESET relatou todas as vulnerabilidades identificadas no Echo e no Kindle e ajudou a equipa de segurança da Amazon a solucionar os problemas.

Para mais detalhes, leia o post no blog da ESET Portugal “ESET descobre vulnerabilidades no Amazon Echo e Kindle a ataques de KRACK “.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

*